| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Filho de Orixá
Desde: 27/06/2015      Publicadas: 1      Atualização: 09/02/2014

Capa |  Religião não é brincadeira não


 Religião não é brincadeira não
  09/02/2014
  0 comentário(s)


As denúncias que não conseguiram calar
Denuncia sobre um senhor que se diz pai de santo e na realidade é um vigarista que anda a enganar crentes do candomblé
As denúncias que não conseguiram calar
Desde 2003 que existem denuncia contra as práticas deste falso pai de santo. É sabido que o número de queixosos é elevadíssimo e que as queixas são das mais diversas mas, infelizmente, devido à liberdade religiosa e à dificuldade que existe em se comprovar um crime de natureza espiritual, a justiça nada pode fazer e pior, o medo e o terror que é instalado por ele nas pessoas faz com que não se partilhe muito sobre o que aconteceu.
Este senhor, de nome João Manuel Fernandes Tormenta, BI. N.º 3661958, nascido em Angola, cresceu no Brasil, por volta de 2001/2002 mudou-se para Portugal e diz ser descendente da Casa Branca de Oxumaré e filho de santo de Mãe Zélia de Oxum, descendencia que foi negada por eles.
Ao que consta, chegou a Portugal com grandes dificuldades financeiras e que por isso mesmo, alugou uma cave e começou a praticar o Candomblé ali mesmo, no espaço que também habitava, e que foi também nesse local onde fez os seus primeiros filhos de santo.
A sua segunda casa de habitação veio por volta de 2002, com a compra de um apartamento numa das ruas principais da Quinta da Piedade. Actualmente este apartamento encontra-se alugado.
Foi nesta altura que também foi alugada a primeira loja/barracão. Aventuro-me a dizer que foi neste local que tudo começou.
Foi nesta loja que se começou a assistir a gritos, agressões, intrigas e acusações falsas, tudo isto praticado pelo pai de santo.
Nesta loja, expositores, bancos, quartos de orixá, sala de jogo, enfim todas as adaptações foram construídas pelos filhos de santo. Assistiu-se a situações marcantes como agressões físicas e verbais da pior espécie, dentro e fora das sessões. Muitas pessoas viram-se confrontadas com falsas acusações e foram agredidas e enxovalhadas quando negaram. Ele tinha sempre uma nova alucinação para torturar os filhos de santo e por isso assistiu-se a diversas tentativas de intriga entre irmãos de santo, e quando a intriga teimava em não existir o pai de santo tentava por meios de violência colocar os filhos, uns contra os outros. Foi nesta loja que o pai de santo começou a proibir os filhos de se falarem e conviverem. Foi nesta loja que se descobriu que nunca se é idoso demais para se levar uns "tapas na cara". Foi nesta loja que muitos filhos de santo fizeram as suas feituras, raspagens, catulagens, recolhimentos. Tudo isto sem condições nenhumas para o efeito. E também foi nesta loja que os filhos começaram a ser cobrados mais que uma vez pelo mesmo trabalho e apesar dos preços elevados, muitas vezes duplamente cobrado, muitos filhos foram dados como exemplos de trabalhos de beneficência em que, devido a problemas financeiros ou por se tratar de casos de saúde, este pai de santo dizia não ter cobrado nada. Chegou a fazer esta
campanha publicitária, para novos clientes, na cara dos filhos de santo em questão, assim como também os chegou a acusar de ingratidão pelo muito que lhes tinha oferecido. Pena que na realidade tudo o que esses filhos tiveram foi tortura, abusos e mentiras, para além das humilhações que se tinham tornado já uma rotina da casa.
Tudo isto agravou-se com a chegada e um novo elemento. Alexandre de Jesus Carvalho de nacionalidade Brasileira.
Ao que se sabe este filho de santo é um criminoso cadastrado que se encontrava a cumprir pena de prisão por diversos crimes. Sabe-se que a sua irmã, filha de santo, desesperada por ajudar o irmão, pediu ajuda ao pai de santo, que o foi buscar ao Brasil e o trouxe para a sua casa onde passaram a viver juntos.
Foi feito ogãn e tornou-se o braço direito do pai de santo. Depois de tudo isto virou-se contra a irmã, é sabido que passou a trata-la como uma escrava e que a era hábito agredila. Quando ela se afastou do irmão e do pai de santo, eles chegaram a persegui-la, mais tarde soube-se, que por vias pouco legais, ele roubou a irmã, apropriando-se da parte dela na herança que a mãe lhes tinha deixado.
Foi desde que chegou este braço direito do pai de santo que alguns filhos de santo ausentes começaram a ser perseguidos e
agredidos.
A compra do Axé em Portugal aconteceu em 2006, com a compra de uma propriedade de uma filha de santo que tinha a sua vida completamente destruturada. É de referir que a filha de santo em questão não ficou melhor com a venda da propriedade e que passado pouco tempo foi impedida de continuar a frequentar o Axé. Este Axé foi construído pelos filhos de santo usando materiais e dinheiro oferecidos pelos filhos de santo. Aqui, no inicio e para rentabilizar o investimento, houve pessoas a fazerem boris num espaço gelado e com água a brotar do chão e paredes que chegava para encher baldes.
Com o tempo as condições melhoraram e as pessoas passaram a ser ainda mais cobradas, até por trabalhos que nunca foram realizados e também começou a fazer feitura de Ekede em meninas criança.
Para maior rentabilidade, também, passou a ser vendido os ibás, dos filhos que já tinham se afastado, como se fossem novos.
O ambiente de terror continuou e aqui que se começou a notar ainda mais a falsidade deste pai de santo. Os filhos de santo, empresários, abriram falência. Os filhos de santo sem saúde pioraram ou morreram. Os filhos de santo com saúde ficaram doentes. E muitos outros de uma forma geral ficaram na miséria. Tudo isto ao mesmo tempo em que o pai de santo,
independentemente dos seus ataques de loucura, levava uma vida de milionário, tudo isto enquanto o pai de santo deitava comida fora mesmo tendo do seu lado filhos à fome, filhos que, antes de ele lhes ter extorquido todos os seus bens, o sustentaram e lhe proporcionaram a vida de luxo que tinha.
É neste axé que os trabalhos anuais se tornaram mensais e semanais, através dos cortes para Exu, onde os que têm dinheiro são levados a terem um Exu pessoal e um Exu para empresário, e é porque ele ainda não inventou mais um Exu para poder cobrar mais. Em relação aos cortes sem fim para Exu, o preço têm o tamanho do património e da carteira de cada um.
E como é sabido, basta um Exu por pessoa e em termos muito próprios, não um Exu por função. Os cortes, se os houver, devem ser anuais e os preços pagos devem ser justos. Tudo isto de preferência com a certeza de que o Exu pertence mesmo à pessoa, ou seja, os filhos de santo deste senhor por vezes acreditam que têm um Exu, que foi pago por eles, e que esse Exu os irá ajudar sempre que precisarem mas não é bem assim, muitos desses Exus apenas respondem ao pai de santo e nada fazem para ajudar os filhos de santo, ou seja, este pai de santo rouba o axé dos seus filhos e de todas as pessoas que por lá passem.
Este roubo de axé também acontece em relação aos orixás de cada filho da casa, é muito comum um filho de santo desta casa ter os santos errados, com ou sem feitura, e os santos que foram feitos são amarrados à casa. Assim como é muito comum Ekedes e ogans que na realidade rodam no santo, e rodantes que nada sentem.
Ainda em 2006 foi alugada uma loja na zona industrial da Quinta da Piedade.
Em 2010 foi a compra de uma loja numa localização bem cotada, mas actualmente encontra-se encerrada e vazia, teve que fechar devido á crise que se vive em Portugal e aos preços elevadíssimos que eram praticados. Foi nesta loja que trabalhou a filha de santo que ele explorou. Esta filha de santo em questão trabalhava sem ter horário de saída, sem fins de semana e sem férias e ainda tinha que ser empregada de limpezas na casa do pai de santo e no axé, por tudo isto recebia +/- 500" de vencimento e nunca lhe foram pagas horas extra. Ele deixou esta filha de santo á fome e foi para Angola dizer que fechou a loja porque teve que pagar uma indeminização porque ela o tinha processado. Na realidade ela vive com ajuda alimentar e ajuda para a renda da casa social em que vive, isto dado pela Santa Casa da Misericórdia.
Toda esta demonstração de riqueza tem sido sempre acompanhada com carros de qualidade elevada.
Por volta de 2010, este pai de santo decidiu que Portugal e Brasil não chegavam e por isso decidiu aventurar-se em Angola. Este facto admirou todos os filhos de santo, uma vez que ele dizia sempre que Angola era a terra das "macumbas, das magias negras, das pessoas más e dos eguns".
Apesar de tudo isto o Axé em Angola é criado, com terreno e financiamento dos filhos de santo de Angola, agora só resta ao pai de santo conseguir apropriar-se destes bens na totalidade, assim como aconteceu com a loja de Angola. A Loja da Forma esta foi uma loja de desporto e nutrição até ao dia em que o pai de santo decidiu torna-la sua. Agora é uma loja onde ele vende as velas que compra no armazém chinês.
Este pai de santo também comprou uma casa em Angola, um apartamento num condomínio de luxo.
E tudo isto só é possível devido à falta de caracter deste senhor que se aproveita da necessidade, boa vontade e fé das pessoas. É preciso ter em atenção que este senhor não é nem pode ser representativo do candomblé ou do que quer que tenha a ver com mundo espiritual. Este senhor é apenas um charlatão que se aproveita de tudo e de todos em seu redor. Mesmo que essas pessoas sejam seus familiares, assim como a sua irmã (Maria Isabel dos Santos Tormenta), que ele falou que ia usar para se conseguir estabelecer em Angola porque ela trabalha no governo Angolano, se usou ou não, não sei apenas sei que ele se estabeleceu em Angola e já anda a enganar as pessoas.
Todos estes esclarecimentos estão a ser divulgados para que as pessoas deixem de ser enganadas, para esclarecer todas as pessoas que procurem informações sobre este senhor.
Assim as pessoas que lerem isto vão saber quem ele é e o que esperar dele.
E atenção, até se começar a sentir os efeitos do que este pai de santo as pessoas encontram-se iludidas ao ponto de terem as atitudes mais parvas, atitudes essas que quando se aperceberem do que fizeram e por quem fizeram as pessoas podem ter a pior das reações para si mesmas, isto se ainda restar algo dentro delas, sim porque a loucura é comum entre os filhos de santo deste pai de santo. Assim como também é comum, nos filhos deste pai de santo, a doença, a miséria e a morte. E não pode ser esquecido que ele é muito bom a espalhar a discórdia entre as pessoas, ele mesmo diz que divide para reinar.
Em baixo vai o exemplo de duas pessoas ainda iludidas. Para quem ler isto e souber o que se passa, irá recordar que todos nós um dia também tivemos assim um momento infeliz, de pensarmos errado sobre as pessoas que ele passava serões e sessões a falar mal delas.
Isto, acima de tudo, é uma forma quem tem duvidas, ou desconfia de algo, vá procurar saber, busque por respostas porque vai encontra-las. Quem tem recursos vai encontrar muito mais do que aqui está e até assuntos bem mais graves e cabeludos. A casa branca de Oxumaré não o reconhece como descendente e a mãe Zélia de Oxum afirma que não lhe entregou o decá,
por isso, quem precisa de razão para desconfiar, comece por aqui. Outro ponto para desconfiar, ninguém consegue tanto em tão pouco tempo com trabalho honesto. E já agora, porque é que praticamente todos os casais que ele celebrou o casamento por Iemanja acabaram se divorciando? Porque é que é comum nestes filhos de santo, os empresários cairem na miséria, os doentes piorarem e os saudáveis ficarem doentes? Mais um ponto para desconfiar, ele criou algo a que chamava associação Ilê Axé Orixás mas a associação nunca existiu, ele tentou ser registado como sacerdote e também nunca conseguiu, tentou reconhecer o candomblé como religião em Portugal mas isso já tinha sido feito, na realidade ele é e sempre foi apenas um empresário possuidor de uma loja ervanária que tem conseguido fugir aos impostos e a todas as obrigações legais, e com isso tem conseguido enganar e extorquir as pessoas.
  Autor:   Fernanda da Silva





Capa |  Religião não é brincadeira não
Busca em

  
1 Notícias